sábado, 8 de março de 2014

SÓmente

tenho doenças em mim incuráveis.
deleito sangue por toda a parte em que existo, ou pertenço.
e é na parte só de mim que encontro o verdadeiro estado,
ou o verdadeiro sentido do problema que existe,
em toda a minha doença.
a solidão.
a sangrenta solidão da verdade.
À qual não existe resposta nenhuma, senão nós.
Mas há braços equivocados fugitivos deles próprios.
Que se alimentam da outra carne que não lhes é,
a sangrenta carne da mentira,
para enterrarem viva, a verdade da solidão.




Sem comentários:

Enviar um comentário